ORIENTAÇÕES PARA AS ELEIÇÕES DE 2010 – ESCOLHENDO O CANDIDATO

Acredito que antes de tomar uma decisão em relação a quem escolher para votar no segundo turno é preciso seguir os seguintes passos:

1. SABER A ORIENTAÇÃO POLÍTICA DO CANDIDATO

É necessário ter conhecimento de qual é a linha que o político atua, se representa a orientação neoliberal ou marxista. Segue a formão como identificar essas orientações:

Proposta liberal

  • Ênfase na iniciativa privada (privatização);
  • Concentração de renda (acumulação de capital);
  • Desvalorização dos movimentos sociais;
  • Precarização do emprego com ênfase no sub-trabalho (sobrecarga de trabalho e redução de salário);
  • Transferência de serviços públicos para iniciativa privada;
  • Acesso às oportunidades através da competição entre indivíduos (competitividade)

Proposta social (marxista)

  • Valorização da empresa pública (estatização);
  • Distribuição de renda;
  • Respeito aos movimentos sociais;
  • Valorização da classe trabalhadora (trabalho com direitos sociais);
  • Priorização dos setores: educação, saúde, desenvolvimento local;
  • Igualdade de oportunidades garantidas por ações do Estado.

2. PESQUISAR A HISTÓRIA DO CANDIDATO

É importante saber a história do candidato. Os grupos que ele representou se fez parte de movimentos reinvidicatórios ou sociais ou se defendeu os grupos de opressão (tipo o Estado ditatorial).

É necessário atentar não para as falas ou as propagandas nos sites (elas podem não ser verídicas) e sim, para os registros históricos, a representatividade de cada político junto aos seguimentos sociais ou empresariais. Caso a sua maior popularidade seja com os movimentos sociais e populares, este deve ser mais democrático, direcionando suas políticas ao interesse coletivo, valorizando a educação, saúde, etc. Caso sua popularidade seja com os empresários, este provavelmente defenderá os interesses dos donos do capital, dos burgueses donos de banco, não valorizando a educação, a democracia e as classes menos favorecidas.

3. PROCURAR IDENTIFICAR A SUA IDEOLOGIA

Acredito que só é possível identificar sua ideologia utilizando a sua própria história e a do grupo que representa como referencia. Isso porque se levarmos em consideração seus planos de governo ou propostas de atuação, chegaremos a conclusão que em época de campanha todos os candidatos (interessados na mercadoria voto) demonstram estar preocupados com o social, com o meio ambiente, etc. E isso dificulta saber quem verdadeiramente defende determinada causa.

4. ANALISAR AS SUAS AÇÕES E AS DO GRUPO QUE REPRESENTA

Fazer um levantamento das ações de cada grupo político (principalmente as ações de quando estavam no poder), atentando para as iniciativas de privatização, políticas públicas, repressão aos grevistas, desvalorização da educação, valorização das classes populares e movimentos sociais, valorização de empresas e grupos de bancos, etc.

Outro ponto importante, que pode ajudar nessa pesquisa, é o de comparar o desenvolvimento do país, principalmente a distribuição de renda, o combate a pobreza, no período em que cada grupo estava governando. Para isso procure entrar em sites de pesquisa considerados idôneos.

5. CONHECER A SÍ MESMO (AGORA É A SUA  VEZ)

Depois de fazer uma pesquisa sobre o seu candidato, é necessário saber qual é a sua ideologia e que forma de governo você prefere (retorne ao item 01).

Você liberal:

  • Se você pensa ser classe média, e tem medo que a possível vitória de um candidato que defenda distribuição de renda, tome o seu status social, vote no candidato neoliberal;
  • Se você defende a concentração de terras e de riquezas, vote no candidato neoliberal;
  • Se você ainda tem medo que dos comunistas (ou sindicalistas) tomarem os bens das pessoas e dividam coletivamente, que os militantes dos movimentos sociais rurais defendam a reforma agrária, vote no candidato neoliberal;
  • Se você não está nem ai com os pobres, com a violência (desde que ela não bata a sua porta), vote no candidato neoliberal;
  • Se você acha que as empresas estatais não estão dando lucros ao país, e devem ser vendidas a grupos internacionais, vote no candidato neoliberal;
  • Se você acha que a universidade deve ser única e exclusivamente para as classes médias e altas, vote no candidato neoliberal;
  • Se você acha que devemos desmatar a floresta amazônica sem peso na consciência pois estamos plantando o progresso, vote no candidato neoliberal;

Você social:

  • Se você não defende a concentração de terras, de riquezas, a miséria, vote no candidato de orientação marxista;
  • Se você defende o meio ambiente e a sustentabilidade, vote no candidato de orientação marxista;
  • Se você se preocupa com os excluídos e defende uma maior distribuição de renda no país, vote no candidato de orientação marxista;
  • Se você valoriza a democracia, vote no candidato de orientação marxista;
  • Se você acredita que as empresas estatais podem dar lucro ao próprio país, e estes devem ser direcionados a políticas sociais (educação, moradia, saúde), vote no candidato de orientação marxista;
  • Se você acredita que a universidade, o sistema educacional, a saúde deve ser para todos, vote no candidato de orientação marxista;

Depois de votar em seu candidato, é hora de fazer o mais importante: monitorar o seu mandato, participar, propor ações e intervir, se necessário.

A UFRN escreve: Porque votar em Dilma

Porque a UFRN deve votar em Dilma
Houve um tempo (8 anos atrás) em que as condições de trabalho na UFRN não eram as que temos. As salas de aula não tinham quadros decentes, nem computadores, projetores de multimidia e muito menos ar condicionado. Nem mesmo os ventiladores funcionavam ou, quando funcionavam eram péssimos e barulhentos. Os laboratórios eram mal equipados e os professores eram
chamados de VAGABUNDOS por FHC porque faziam greve. Ora, passamos vários anos sem reajustes de salários e nossos salários eram corroidos pela inflação a cada mês.

Houve um tempo na UFRN em que não existia dinheiro para pagar a energia elétrica e nem telefones, nem para comprar livros, nem para financiar as pesquisas ou pagar bolsas de estudos para alunos.

Houve um tempo em que não existia dinheiro para comprar comida para abastecer para o Restaurante Universitário, nem para comprar giz para as salas de aula, nem para construir edificações, nem para ajudar aluno carente.

Houve um tempo em que todo mês havia um indicativo de greve. As
universidades paravam suas atividades todos os anos e chegamos a ficar parados por mais de 100 dias. Era consenso que o governo federal estava sucateando as universidades.

Além da universidade, o país vivia em crise, devia ao FMI, era considerado um país de economia instável e o Risco Brasil era altíssimo. Para resolver, a Social Democracia (PSDB) vendeu a Vale do Rio Doce, a CSN e a Eletrobrás, e queria privatizar o Banco do Brasil, Caixa Econômica e Petrobrás, e também, acredita-se, ao sucatear as Universidades Publicas  faria o que fez no Chile, privatizaria o Ensino Superior.

Hoje, o Brasil não deve ao FMI, tem uma economia robusta, milhões de brasileiros sairam da linha da miséria, enfim, o país melhorou
visivelmente. Quem viveu os últimos 20 anos sabe que vive em um país muito melhor, mais justo e mais democrático, embora ainda precise de muito caminho a percorrer.
Nós, da UFRN, já vivemos a experiência de ser administrados pelo PSDB. Não podemos nos esquecer disso. Nós, da UFRN, não queremos perder o que conquistamos e queremos mais, pois o processo democrático ainda está em construção.

No primeiro turno, senti que a grande maioria dos nossos alunos escolheu Marina. Como em todo processo eleitoral, entendo que o primeiro turno era o momento de se confrontarem os diversos projetos de sociedade e o projeto de Marina também era bom, mas quem votou em Marina não pode votar em Serra.

Neste 2o turno só temos duas candidaturas disponíveis! Temos que ter responsabilidade para fazer a melhor escolha. Sugiro que pensemos para além dos nossos interesses pessoais, que reconheçamos que voltar a um governo Social Democrata é um retrocesso. Que podemos avançar.

Aos alunos peço: Pensem em tudo isso na hora de votar.

Aos professores conclamo: Vamos usar adesivos, vamos conversar com os alunos, vamos sair em sala de aula como nos velhos tempos de militância.

Vamos mostrar aos alunos que educação também é uma escolha política e que não estamos aqui apenas para formar profissionais, mas cidadãos que se preocupam com a realidade miserável do país.

Estamos numa instituição pública e devemos defendê-la da ameaça que é, a meu ver, a candidatura social democrata, que mente, calunia e utiliza recursos questionáveis do ponto de vista ético. As Universidades Públicas estão se mobilizando e realizando atos políticos.

Vamos organizar o da UFRN!!!

Giovana Paiva de Oliveira
Profa. DARQ/UFRN

 

fonte: http://ufrncomdilma.wordpress.com/2010/10/18/a-ufrn-escreve-porque-votar-em-dilma/